PESADELOS

             Soninha dorme pacificamente quando, de repente, acorda assustada e começa a gritar. Quando sua mãe entra no quarto, encontra a filha sentada na cama, chorando.

            — O que aconteceu, filhinha? – Pergunta a mãe, abraçando a menina.

            — Tive um sonho horrível, mamãe. Sonhei que você estava sendo enforcada. — Consegue dizer a menina, entre soluços.

            — Mamãe está bem e não vai ser enforcada, está bem, Soninha? Foi só um pesadelo, minha filha. Mamãe vai ficar aqui com você até você dormir novamente, está bem?

            Quem nunca teve um pesadelo na vida? Daqueles realmente horríveis, em que você acorda suando frio?

            Quando dormimos, nosso inconsciente toma conta de nossa mente e traz à tona resíduos do dia a dia, conteúdos reprimidos, medos, esperanças ou lembranças há muito esquecidas. Não é anormal, portanto, uma criança ou até mesmo um adulto, sonhar com alguma coisa que nos assusta além do que podemos suportar.

            Nosso inconsciente trabalha com símbolos e nos envia mensagens em código que nem sempre conseguimos desvendar.

            Algumas definições de pesadelo são: sonho aflitivo que produz sensação opressiva; sonho que provoca angústia ou receio; sonho penoso com sensação de opressão.

            Não importam as definições. São sonhos ruins que nos alertam sobre alguma angústia ou medo que vivemos.

            Ter um pesadelo, vez por outra, é absolutamente normal. Quando eles são recorrentes, pode indicar um evento mais sério e até mesmo um transtorno.

            Pesadelos podem aparecer em transtornos de ansiedade, transtornos do sono, transtornos de estresse pós-traumático, entre outros.

            Soninha tem pesadelos recorrentes. Seu pai, a quem era muito apegada, saiu de casa e houve uma separação conturbada e amarga entre marido e mulher.

            Soninha sofre de ansiedade de separação e o pesadelo é apenas um dos sintomas.

            Crianças frequentemente se culpam pela separação dos pais. Não conseguem entender plenamente o que aconteceu e não têm estrutura para elaborar o que ocorreu. Se os pais tampouco apresentam esta estrutura e, pior, tentam jogar os filhos contra o cônjuge, a criança receberá uma carga que não conseguirá suportar.

            A mãe de Soninha, sem saber mais o que fazer, levou-a a um terapeuta que a ajudou a elaborar e entender a situação da melhor forma possível e os pesadelos diminuíram.

            Daniel, assim como Soninha, acorda muitas noites assustado e gritando. Demora muito a voltar a dormir e no dia seguinte sente muito medo ao se recordar da noite anterior. Os pais não sabem mais o que fazer.

            Pesadelos também podem ser causados pelo fato de as crianças ficarem acordadas até muito tarde, fazerem refeição pesada próximo da hora de dormir ou por excesso de excitação, por exemplo, um programa de televisão muito estimulante.

            Os pesadelos, normalmente, ocorrem perto do amanhecer e, muitas vezes, são nitidamente recordados.

            Um sonho ruim ocasional não é motivo de preocupação, mas se os pesadelos forem frequentes ou persistentes, especialmente aqueles que deixam a criança muito temerosa ou ansiosa quando acordada, podem indicar excesso de estresse.

            Uma vez que os sonhos podem ser resíduos do nosso dia, a criança com pesadelos frequentes pode estar tendo um problema sério que não consegue resolver quando acordada.

            Tentar conversar com o filho e prestar atenção em seu dia a dia pode ser essencial para descobrir os motivos dos pesadelos.

            Caso os pais avaliem que os sonhos ruins estão prejudicando muito a noite da criança e fazendo-a sofrer em demasia, a terapia seria uma boa indicação para averiguar o porquê destas ocorrências.

            Algumas crianças acordam frequentemente em um estado de pânico. Sentam-se na cama, respirando aceleradamente com os olhos esbugalhados. Não gritam. Voltam a dormir e no dia seguinte não se lembram de nada.

            Este fenômeno é chamado de terror noturno e afeta cerca de 23% das crianças de 3 a 8 anos, principalmente meninos.

            Crianças que sofrem de terror noturno não despertam realmente e voltam a dormir facilmente. Pode ser apenas o efeito de um sono muito profundo e dificilmente constitui um problema emocional grave.

            Andar e falar durante o sono também é bastante comum em algumas fases da vida da criança e geralmente não é prejudicial.

            No entanto, perturbações do sono, se forem persistentes, podem indicar um problema emocional que precisa ser examinado.

            Daniel não tinha horário para dormir. Seus pais o deixavam até tarde assistindo a programas de televisão não muito recomendados para sua idade. Era um menino saudável sem nenhum problema emocional, mas quando finalmente dormia, seu cérebro estava muito excitado e as imagens perturbadoras que assistia todas as noites voltavam durante o sono para assombrá-lo.

            Hoje Daniel está proibido de assistir a certos programas e tem hora certa para dormir. Seus pesadelos começaram a diminuir e finalmente terminaram.

MEUS LIVROS NAS MELHORES LIVRARIAS

Meus livros na Livraria Cultura   Meus livros na Saraiva     Meus livros na Apple  Meus livros na Kobo    Meus livros na Amazon