DISLEXIA

          Regina apresentava dificuldades na escola. Quando tentava ler, era como se as letras se misturassem e dançassem em frente a ela, tornando tudo nebuloso e de difícil compreensão. Ela sempre tirava notas baixas nas provas e os professores marcaram uma reunião com os pais, pois a menina obviamente tinha distúrbio de aprendizagem.

            Na verdade, Regina era uma garota muito inteligente e com o desenvolvimento normal para a sua idade. Mas quando precisava ler ou escrever, ficava apavorada, pois as letras eram suas inimigas. No entanto, suas outras habilidades cognitivas eram normais e se os professores aplicassem prova oral, suas notas seriam ótimas.

            O problema de Regina é a dislexia, termo usado pela primeira vez em 1887, na Alemanha.

            A dislexia é um transtorno específico da aprendizagem de origem neurobiológica, onde um braço do cromossomo seis está alterado. É caracterizada pela dificuldade na leitura e escrita, bem como habilidades de decodificação. Há um déficit no componente fonológico da linguagem que não afeta outras funções cognitivas. Em outras palavras, a dislexia nada tem a ver com a inteligência nem com a capacidade de aprendizagem.

            Indivíduos com QI muito alto podem ser disléxicos e apresentar problemas ao ler e escrever. Outro aspecto é que como têm dificuldade na compreensão da leitura, os disléxicos podem ter reduzido seu vocabulário e o conhecimento geral, perdendo muito em relação às informações.

            Indivíduos que apresentam dislexia possuem inteligência normal ou superior, porém não conseguem ler e escrever adequadamente à sua idade. São frequentemente rotulados de burros, mas seu QI normalmente é alto. Tiram notas altas nos exames orais, mas têm dificuldades nos escritos. São talentosos para artes, música, esporte, desenhos e tudo que envolve criatividade.

Estes indivíduos também podem apresentar distúrbio de atenção, somado à dislexia, o que dificulta ainda mais sua capacidade de compreensão.

            É possível desenvolver um padrão de leitura e escrita satisfatório, mas se o componente fonológico não for muito bem trabalhado, na idade adulta aparecerão algumas falhas.

            Na leitura, normalmente temos uma decodificação, compreensão e reconhecimento automáticos, o que é fundamental para se conseguir ler. É preciso decodificar continuamente uma sílaba atrás da outra para formar palavras e frases. Fazemos isso automaticamente, sem nem perceber. Para a maioria das pessoas, é natural. Mas não para os que apresentam a dislexia.

            Os indivíduos disléxicos confundem as letras, números e palavras, repetindo ou omitindo o que está escrito. Podem se queixar de dor de cabeça ou de estômago quando leem. Apresentam dificuldades em copiar e compreender o texto que estão lendo.

            Na escrita, os indivíduos precisam do ato motor, bem como da memória para buscar aquela palavra e fazer sua correspondência grafêmica. Crianças disléxicas não conseguem usar os conetivos adequadamente, podendo juntá-los com alguma outra palavra, como por exemplo, “nacama” em vez de “na cama”.

            Questões matemáticas também podem ser um problema para estes indivíduos. O raciocínio lógico é bom e eles até sabem a resposta, mas não conseguem transcrever o procedimento no papel.

           É importante saber que apesar desta dificuldade, é possível funcionar muito bem na vida, desde que se trabalhe o distúrbio com o fonoaudiólogo. A criança precisa tomar consciência desde cedo de que não é burra ou que não tem potencial.

            O diagnóstico é feito por uma equipe multidisciplinar que engloba o psicólogo, fonoaudiólogo, neurologista e psicopedagogo. É de extrema importância estabelecer um diagnóstico precoce para evitar que sejam atribuídos aos disléxicos rótulos depreciativos com reflexos negativos sobre sua autoestima e projeto de vida. No entanto, nunca se deve diagnosticar este transtorno antes da idade escolar.

            Regina hoje é professora de artes, tem seu próprio ateliê, lê livros constantemente e se sente feliz e realizada. A dislexia não a atrapalha em nada e é apenas um detalhe em sua vida.

MEUS LIVROS NAS MELHORES LIVRARIAS

Meus livros na Livraria Cultura   Meus livros na Saraiva     Meus livros na Apple  Meus livros na Kobo    Meus livros na Amazon